Como será o “novo normal” pós-COVID-19?

0
50
views

Publicado por: Comunicação | 21 de maio de 2020

Governos de todo o mundo estão caminhando para planos de
saída gradual dos cenários de quarentena e restrição de circulação de pessoas.
Isto ocorre em ritmos e formas diferentes, no entanto, as empresas possuem muitas
questões similares relacionadas ao futuro e como este deve ser conduzido.

Todos se perguntam: haverá um “novo normal”? Para Alexandre
Weiler, consultor de carreira da Esic Internacional, não há dúvidas de que o
digital é o novo normal. “Os comportamentos de parte do mercado consumidor poderão tender a voltar aos números anteriores em quantidade, porém os canais onde as compras são realizadas, as fontes de influência e os diferenciais competitivos estarão fortemente transformados”.

Segundo o consultor, o ambiente digital tende a trazer comodidade na compra, preço reduzido e formas mais efetivas de comparação de preço, bem como um número maior de opções de compra em relação ao varejo físico. “Fica difícil imaginar que um consumidor troque estas vantagens relevantes e volte a situação anterior. Quase 40% dos brasileiros fizeram sua primeira compra online durante este período. Se antes, o varejo físico já estava perdendo um número grande no seu volume de vendas, esse processo agora tende a se acelerar e se ampliar”.

Outro fator fundamental é o planejamento, especialmente em um cenário de incerteza. Alexandre explica que planejar é imprescindível, até porque nos coloca em uma postura proativa e não reativa. “Tudo nesta vida envolve três recursos principais: tempo, esforço e dinheiro. Quando somos proativos, somos capazes de utilizar estes recursos finitos e restritos de formas mais estratégica e inteligente. Ser reativo significará desperdício destes ou uso inadequado ou ineficiente destes recursos”.

Novo Marketing

A maior parte, para não dizer todos, dos planejamentos feitos no final de 2019 para o ano 2020, segundo Alexandre, precisaram ser refeitos ou fortemente readequados durante este período. “Ser rápido, ágil e inteligente significa responder antes aos anseios do cliente atual e potencial cliente, ainda mais se antes ele estivesse com seu concorrente”.

Para Felipe Macedo, co-fundador da Corebiz além se ser ágil, é preciso focar em ações disruptivas. “A Accor, que está com os hotéis praticamente fechados, começou a alugar salas para as pessoas trabalharem, uma disrupção do modelo de negócio dele, achei incrível particularmente. Eles transformaram o hotel em uma espécie de co-working, onde se tem um quarto para trabalhar. Isso é um exemplo bom”.

De acordo com Marcel Matsuda, CEO da fri.to, as mudanças do cenário macro tomaram uma velocidade que impossibilita as lideranças de preverem grandes movimentos. “Uma hora tudo faz sentido, e uma simples mudança no feature (característica) de determinada rede social, tudo muda. Pensar rápido, agir rápido e testar rápido, são os melhores caminhos para pequenos erros ou grandes acertos. Falhar rápido e tomar novos rumos faz parte do processo de grandes acertos”.

Nem tudo que é rápido é melhor. Ronaldo Ferreira Junior, sócio-fundador da um.a, destaca a importância de pensar as mudanças a partir de suas transformações culturais. “Temos que aceitar que a situação de mudança em si não é a novidade (desde sempre, vivemos em constante mudança). O que temos que estar atentos é no foco das novas necessidades das pessoas. Como podemos ajudar a melhorar a vida de nossos clientes a partir desta realidade de caos”.

Dicas

Separamos as principais dicas dos entrevistados para sua
empresa se preparar para o futuro pós-covid-19.

  • Planejamento. Olhe e monitore o mercado e o cliente de perto. Responda de forma ágil, rápida e adequada. Ninguém planeja fracassar, mas praticamente todos que fracassam, erraram a medida ao planejar;
  • Avalie o mercado e seus recursos internos de forma sensata. Planeje de forma adequada e aja de forma rápida, firme, nunca deixando de reconhecer e corrigir os erros rapidamente, pois eles seguramente serão cometidos;
  • Erros nunca devem ser punidos. Pelo contrário, suas lições devem ser aprendidas para que gerem vantagem competitiva. Erros repetidos é que não devem ser tolerados em hipótese alguma. O sucesso está em apenas cometer erros novos;
  • Ser flexível é mandatório. A equipe (da diretoria ao estagiário) deve estar aberta a mudanças bruscas;
  • Tenha propósitos claros. Os nichos se tornaram o novo mainstream (convencional). Se você tem um público que se identifica com sua marca, terá sempre “defensores” que ajudarão no crescimento e também em possíveis momentos de crise;
  • Solidariedade. Grandes e pequenos negócios conseguem organizar muitas transformações e o pós-covid cobrará essa parcela de seu valor agregado;
  • Turbine as possibilidades de soluções. Envolva seus fornecedores, parceiros comerciais e clientes nas futuras soluções;
  • Não se isole nos próprios problemas. Esta é uma crise global.  Sua empresa não causou ou entrou nela sozinha.  Só é possível sair dela de forma coletiva, a partir da inclusão e colaboração de todos. Então, discuta com outras empresas, participe de sua associação de classe, compartilhe informações.

Fonte: AERP