Migração das rádios AM para FM ainda vai demorar, afirma Congro

0
341
views

O decreto que autoriza a migração das emissoras de rádio que operam em AM (Amplitude Modulada) para FM (Freqüência Modulada), assinado em novembro do ano passado pela presidente Dilma Roussef, até agora não surtiu efeitos práticos, com exceção para os radiodifusores do Rio Grande do Norte. Lá, o Ministério das Comunicações já autorizou a  migração de 8 emissoras.

No Mato Grosso do Sul, como nos demais estados que fazem fronteira com paises vizinhos, o processo será mais demorado em virtude da consulta de viabilidade técnica para a ampliação da utilização do espectro a ser formulada pelo Brasil, durante Reunião de Cúpula do Mercosul, marcada para dezembro deste ano.

Só após a resposta dos organismos responsáveis pelo setor de radiodifusão de cada país limítrofe, informando que essas novas emissoras brasileiras em freqüência modulada (FM) não vão causar interferência nas suas, é que a Anatel – Agência Nacional de Telecomunicações dará prosseguimento nos trabalhos de migração, publicando uma consulta pública.

Na semana passada, o presidente da Associação das Emissoras de Radiodifusão de Mato Grosso do Sul – AERMS -, Rosário Congro Neto, divulgou uma nota afirmando que “No caso de Mato Grosso do Sul, a Consulta Pública está pronta, mas não será publicada enquanto não for ouvido o governo paraguaio, por causa das irradiações sonoras que alcançam o país vizinho. Como o Paraguai integra o Mercosul, segundo informação da ABERT, este assunto será diplomaticamente, colocado em pauta em reunião do Mercosul, prevista para dezembro. Portanto, estamos de “molho”. Embora, haja esforços da ABERT para pelo menos ser publicada a Consulta Pública antes de dezembro. Até porque o governo brasileiro, por causa de Tratado Internacional, prefere, mesmo que não haja objeção, formalizar este assunto”.

“Este empecilho caiu como uma ducha de água fria em nossas cabeças”, declarou um radiodifusor que opera na região sudoeste do Estado. “Pensávamos que iríamos começar 2015 já transmitindo em freqüência modulada. Pelo jeito só no final de 2015, começo de 2016”, pontuou.

Renascimento

O setor de radiodifusão que opera na faixa AM, principalmente nas pequenas cidades, estava com seus dias contados, em razão da péssima qualidade da transmissão em virtude de interferências. Renasce, agora, com o advento desse decreto que permite a migração para a faixa de FM. A ABERT – Associação Brasileira de Radio e Televisão, estima que mais de 90 % das quase duas mil emissoras  AM vão optar pela mudança.

Fonte: http://www.acritica.net/