Sertanejo domina rádios do país em 2015

0
354
views

Jornalista, coautor do livro “Bem Sertanejo”, acredita que o sertanejo não se trata de uma monocultura, mas de vários gêneros dentro de um.

Para quem só vê monotonia nas paradas, o jornalista André Piunti argumenta: “É impressionante o domínio. Mas não é uma monocultura, acho que são vários gêneros dentro de um”, diz ele, coautor do livro “Bem Sertanejo”, com o cantor Michel Teló, e criador do site Universo Sertanejo.

Conforme o raciocínio, haveria tantas nuances entre Victor & Leo e Lucas Lucco quanto entre Beatles e Ramones no rock. “Tocam nos mesmos lugares, são chamados de sertanejos, mas são completamente diferentes.”

Fernando & Sorocaba está em 17º lugar na lista de mais tocadas nas rádios, com “Bobeia pra Ver”. A dupla é dona do escritório FS Producões, que agencia Lucas Lucco, Marcos & Belutti e Thaeme & Thiago. Sorocaba diz que, para além do crescimento de festivais e festas, há também uma proliferação de subgêneros dentro do próprio sertanejo. “Tem o sertanejo com arrocha, com rock, com pop, com country”, descreve.

Prova disso é a música mais tocada no ano até agora, “Suíte 14”, dos mato-grossenses Henrique & Diego em parceria com o funkeiro paulistano MC Guimê.

Junta desde 2002, a dupla ficou famosa com “Zoar e Beber”, em 2009. Estourou com “Suíte”, gravada no fim de 2014, com um pedido de reconciliação numa “banheira de espuma/ Nós dois se amando e a lua por testemunha/ Jantar à luz de vela, champanhe com cereja/ E a vida inteira nosso amor de sobremesa”.

A música saiu dos estúdios de Dudu Borges, o grande midas do sertanejo moderno e produtor de grandes hits do gênero nos últimos anos, como “Chora, Me Liga”, “Fugidinha” e “Ai, Se Eu te Pego”.

Dudu produziu as outras duas mais tocadas no ano: “Agora”, de Bruno & Marrone, e “Escreve Aí”, de Luan Santana. “São totalmente diferentes. ‘Suíte 14’ é de uma dupla nova, a do Luan tem conceito anos 1970 e ‘Agora’ é versão de uma música venezuelana.”

Ele conta que agora aposta na música eletrônica para o gênero. “Coloquei em Jorge & Mateus. Tem dado tudo certo. O mundo está eletrônico”, diz Dudu. Faltou dizer que, além de eletrônico, ao menos o Brasil segue sentimental, como todo bom sertanejo.

Fonte: http://informabr.com/