60 jornalistas foram assassinados em 2020

60 jornalistas foram assassinados em 2020

30 de dezembro de 2020 0 Por Equipe TudopraRádios
Bruxelas, 30 de dezembro de 2020 – A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), a principal organização profissional do mundo, registrou 60 assassinatos de jornalistas e funcionários da mídia em 2020 em ataques direcionados, explosões de bombas e incidentes de fogo cruzado em 16 países do mundo. São 11 vítimas a mais do que em 2019. Desde 1990, a FIJ registrou 2.676 assassinatos de jornalistas em todo o mundo.

O ano de 2020 ficará para a história como o ano de uma crise pandêmica global sem precedentes, mas também como o ano em que a matança de jornalistas e funcionários da mídia aumentou em todo o mundo. Com 60 assassinatos em 2020, as estatísticas terríveis estão aumentando novamente em comparação com 2019, quando 49 vítimas foram registradas.

Os registros da FIJ mostram que o número atual de assassinatos de profissionais da mídia está nos mesmos níveis de 1990, quando a Federação começou a publicar relatórios anuais sobre jornalistas e funcionários da mídia assassinados. Os maiores registros ocorreram em meados dos anos 1990 e meados dos anos 2000.

Cartéis do crime organizado, insurgências extremistas e violência sectária continuam a espalhar o terror entre os jornalistas, dezenas dos quais pagaram o preço final por reportagens independentes em todo o mundo.

Nesse sentido, o ano de 2020 não foi exceção. O reinado implacável do crime organizado no México, a violência de extremistas no Paquistão, Afeganistão e Somália, bem como a intolerância da linha dura na Índia e nas Filipinas, contribuíram para o contínuo derramamento de sangue na mídia.

Em particular, na lista deste ano está o assassinato da jornalista russa Irina Slavina, um caso que destacou o nível de desespero e desânimo total com o ataque a profissionais da mídia. A editora da Koza Press ateou fogo a si mesma na cidade de Nijni-Novgorod para protestar contra a campanha de intimidação e assédio para silenciá-la. No final, isso a levou ao ato fatal, mas não antes de ela culpar as autoridades como responsáveis ​​por sua ação.

“As tendências das nossas publicações nos últimos 30 anos, mas também em 2020, deixam claro a todos que não há espaço para complacências. Pelo contrário, são um apelo urgente para redobrar os nossos esforços de mobilização para uma maior proteção de / jornalistas e um compromisso com a prática segura do jornalismo “, disse o secretário-geral da FIJ, Anthony Bellanger.

Em 31 de dezembro de 2020, a FIJ apontou a Ásia-Pacífico como a região mais perigosa com 27 assassinatos, seguida pela América Latina com 17 casos de assassinato. Os países árabes e do Oriente Médio registraram 8 assassinatos, enquanto 6 mortes foram registradas na África e 2 na Europa.

Em sua classificação por país em 2020, o México lidera a lista pela quarta vez em cinco anos com 14 assassinatos, seguido pela Índia (8), Afeganistão (7), Paquistão (7), Filipinas (4) e Síria (4) enquanto o Iraque e a Nigéria registraram 3 assassinatos cada. Também houve dois assassinatos na Somália. Finalmente, um jornalista foi assassinado em Bangladesh, Camarões, Colômbia, Honduras, Paraguai, Rússia, Suécia e Iêmen.

Fonte:FENAJ