A digitalização do rádio na Noruega – Artigo de Paulo José Lara

A digitalização do rádio na Noruega – Artigo de Paulo José Lara

8 de março de 2017 0 Por Equipe TudopraRádios

 

No início deste ano, o anúncio de que a Noruega iria “acabar com o rádio FM” causou inúmeras reações por todo o mundo. A frequência modulada (FM) é um tipo de modulação do sinal a ser portado por uma onda específica numa determinada faixa do espectro eletromagnético. Ela se difere de outras técnicas de codificação e modulação pela forma na qual o sinal é carregado.

No caso da Noruega, essa tecnologia de modulação será substituída por um padrão de rádio digital chamada DAB (digital áudio broadcasting), tecnologia desenvolvida no final dos anos 1980 e usada majoritariamente em países europeus. Um dos motivos da migração é a existência de diversas barreiras naturais no país que dificultam a penetração do sinal analógico em algumas áreas, empecilho que a robustez do sinal digital poderia vencer.

Os debates em torno da medida comprovam a importância do rádio em uma sociedade informatizada e interconectada. Com pouco mais de cinco milhões de habitantes, no país escandinavo 99% da população tem acesso à internet. Segundo o site www.ssb.no, especializado em estatísticas do país, em 2015, o rádio era regularmente ouvido por 59% da população, perdendo para o uso da internet (87%) e da televisão (67%), sendo que 53% da população já possuía aparelhos de rádio receptores DAB. No entanto, somente 20% dos carros dispõem desses receptores digitais. Sendo historicamente um país avançado em termos de adoção de tecnologias de comunicação, a migração para o rádio digital não deve ser um problema para a sociedade norueguesa.

Em 2011, o parlamento norueguês publicou o “Mandato de digitalização do rádio” que estabelecia critérios e um cronograma para a digitalização integral das transmissões de rádio. O mandato exigia que a cobertura da maior empresa de comunicação do país, a NRK (Companhia Norueguesa de Radiodifusão, empresa pública fundada em 1933 nos moldes da BBC britânica), tivesse seus serviços de rádio digital ativos com uma cobertura equivalente à sua maior emissora FM (NPR P1) e que os serviços de multiplex (transmissão tanto em analógico como digital) cobrissem 90% da população. No início de 2015, os critérios foram cumpridos e, com acesso a soluções técnicas satisfatórias para recepção automotiva, pelo menos metade dos ouvintes escutava rádio digital diariamente. A migração durará até dezembro deste ano.

VANTAGEM TECNOLÓGICA

Por seu protagonismo, a Noruega terá vantagem em pesquisas e desenvolvimento de tecnologias nessa área, podendo se beneficiar de decisões semelhantes de países vizinhos que se mostram cada vez mais inevitáveis.

Como a realidade do rádio digital é ainda incipiente, o mercado de transmissores e receptores ainda não se encontra plenamente desenvolvido. Um dos problemas é que cada padrão de transmissão requer especificações técnicas em seus aparelhos que podem não ser compatíveis com outros. Rádios automotivos são um exemplo.

Há empresas desenvolvendo um conjunto de chips para esses equipamentos e existem carros que saem de fábrica já com a tecnologia de rádio digital. Por isso, acordos regionais e multissetoriais determinando o mesmo padrão de transmissão para um continente, por exemplo, são essenciais para o sucesso do rádio digital. Essa tecnologia pode contribuir para a multiplicação de vozes, otimização do uso, inclusão de comunidades e provimento de serviços essenciais para uma população que utiliza esse meio de forma maciça em áreas remotas. A digitalização não é o fim do rádio, mas sim a proposição de um novo paradigma de comunicação

TUDO É RÁDIO

O rádio digital não é o mesmo que “rádio por internet”. Embora a internet possa utilizar o espectro radioelétrico para transmissão e captura de sinais (telefones celulares e wifi), o que é chamado de rádio digital não depende da rede mundial de computadores interligados. Enquanto a infraestrutura da internet é uma rede privada de serviços digitais localizados, porém multinacionais e distribuídos de acordo com interesses particulares e estatais, o rádio digital é um tipo de emissão e recepção sem fio, de sinais de abrangência limitada, que se utilizam de porções do espectro e são transmitidos e captados por aparelhos para esse fim.

Paulo José Lara – Membro da Associação Brasileira do Rádio Digital (Abradig)

Fonte: Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária – Abraço