Vendas e arrendamentos de rádios em Sergipe provocam demissões em massa

0
301
views

O mercado de radiodifusão do estado de Sergipe vem sendo movimentado nos últimos meses com a troca de donos de alguns prefixos da capital e do interior. Várias emissoras foram vendidas, sublocadas, ou arrendadas. O que ocorreu no final de 2017 está se repetindo agora no início deste ano.

A mais recente transação está em andamento entre a Rede Ilha, pertencente ao empresário e político Edvan Amorim (irmão do Senador Eduardo Amorim, do PSDB) e o emergente Grupo Xodó, comando por Nelson Nascimento, também dono da banda de Forró, empresas de transportes e eventos, e agora megaempresário da comunicação em Sergipe. A duas empresas já haviam feito negócio com outras três emissoras da Rede Ilha – que agora são Xodó FM e AM – localizadas nas cidades de Estância, na região sul do estado, Tobias Barreto, no centro sul, e Propriá, localizada ao norte na divisa com Alagoas. Hoje o Grupo Xodó monopoliza oito emissoras em operação, com previsão de colocar no ar mais três ainda em 2018.

A Negociação entre a Rede Ilha Comunicação Ltda. e o Grupo Xodó, tem provocado um crescente desemprego no mercado, fato que se agravou com a recente demissão coletiva dos funcionários de quatro emissoras da Rede Ilha de Comunicação Ltda.

Somente na Ilha FM 102,3 Aracaju, cerca de 38 funcionários receberam aviso prévio coletivamente, inclusive dirigentes do Sindicato dos Radialistas de Sergipe, infringindo a Lei de Estabilidade Provisória.

Em tempo, o Sindicato dos Radialistas recorreu à Justiça através da 2ª Vara do Trabalho de Sergipe. Na decisão, o Juiz Titular do Trabalho, Guilherme Carvalheira Leal, determinou a quase extinta emissora Rede Ilha de Comunicação a reintegração imediata do radialista Toni Xocolate em suas funções de locutor-operador-apresentador na Rádio Ilha FM.

No entendimento do Sindicato dos Radialistas de Sergipe, o cumprimento da ação judicial foi parcial. O radialista foi comunicado da reintegração, mas também informado qnão reassumiria suas funções e deveria aguardaria o desenrolar do processo em casa. O Sindicato entendeu que a determinação judicial não foi cumprida na íntegra e recorreu para que o profissional retorne ao seu posto e suas funções.

Ainda correm ações em favor da reintegração dos radialistas e também sindicalistas Alex Carvalho (repórter), Roberto Pereira (locutor-operador-apresentador) e Marcão Negrão (locutor-operador-apresentador e programador) que aguardam decisão da Justiça do Trabalho através da 2ª Vara do Tribunal do Trabalho da 20ª Região de Aracaju. Todos os radialistas sindicalistas têm mandato no Sindicato até 2021.

Representantes do Sindicato dos Radialistas de Sergipe estiveram no escritório da emissora, quando seriam homologadas todas as demissões, acompanhado com a assessoria jurídica – que orientou aos funcionários em aviso prévio para que não assinassem a demissão, o que foi acatado por todos.

Apesar da mudança de endereço e de toda estrutura da Ilha FM estar sendo desmontada para dar lugar a Xodó FM, na sintonia 102,3, foi possível restabelecer negociação entre o Sindicato e a Rede Ilha de Comunicação e as homologações das demissões de todos os funcionários foram suspensas. Agora a situação dos funcionários será revista e as demissões serão analisadas caso a caso, preservando os direitos dos radialistas da Rede Ilha de Aracaju.

Fonte: Sindicatos dos Radialistas de Sergipe.

Fonte: FITERT – Federação dos Radialistas